sábado, 18 de julho de 2015

O jogo de padrões duplos. Como Engenheiros Ambientais, Agrônomos e Veterinários pensam sobre as áreas de atuação?

Para quem acompanha esse blog sabe muito bem os ataques que nossa profissão sofre de todos os lados e em todas as áreas. Na verdade gostam da gente apenas dando aulas, e olha lá, né?


Acontece que o blog possui um mecanismo simples e muito antigo para estampar o título dessa publicação, que é a leitura. Não a leitura de revistas científicas, pois isso fazem os blogs com outras finalidades, que não é o caso desse.

Para nutrir esse blog, são acompanhados os sites, por exemplo, do CONTER, CFMV, CFM, CFF, CFBm, CONFEA, CFQ, COFFITO, os CRs desses federais, associações e sindicatos dessas classes, e não menos importante, das brigas classistas entre eles, pois podem ou não respingar nos Biólogos, além de acompanhar o desenvolvimento de novas profissões. Pesquisas de processos judiciais também são comuns.

Com esse mecanismo de monitoramento, já lançamos matérias exclusivas e fizemos muitas denúncias aos CFBio e CRBios. Nem tudo que se descobre é publicado, pois nem tudo se consegue com a publicação de informações. Verdadeiras zonas de guerra podem ser formadas, vide os comentários de algumas de nossas publicações.

Acham mesmo que o CFBio ter ido no Ministério da Pesca foi apenas pelos animais em extinção? Na verdade ele foi provocado pelo blog, e também por outros colegas que fizeram a mesma análise que nós sobre um assunto em específico: a aquicultura e sanidade. O MP está se descolando do MAPA, logo, suas resoluções estão menos corporativistas, pois lá existem menos veterinários que no MAPA. Mas o CFMV não ficou quieto, e em nosso monitoramento, enviamos ao CFBio e CRBios as tentativas dos médicos veterinários de nos "podarem" da atividade, principalmente na sanidade. Já em dezembro de 2014 esse blog enviou aviso ao CFBio sobre as atividades do CFMV, assim como em fevereiro de 2015. Notem que na matéria do CFBio sobre a visita ao Ministro da Pesca, esse item é reforçado até com um parecer do Biólogo Wagner Velenti. Essa visita ocorreu por mais de um motivo, e mesmo assim levou meses para uma jogada política desse nível, pouco visto em nosso sistema. 

(http://www.cfbio.gov.br/artigos/Presidente-do-CFBio-se-reune-com-o-ministro-da-Pesca-e-Aquicultura).

Com vocês entendendo um pouco mais como agimos, devem imaginar que lemos muitas coisas diferentes e acabamos descobrindo um certo comportamento nos engenheiros e veterinários.

Engenheiros Ambientais estão soltando laudos de fauna e flora

O caso da Petrobrás é o mais relevante. Quando passamos a poder concorrer nos cargos de engenheiro de meio ambiente, pois suas atribuições são de gestão ambiental, e não propriamente engenharia, boa parte deles não ficou nada contente, dizendo que somos os profissionais dos "bichinhos" e das "plantinhas", e de que não entendemos nada do resto da área ambiental. Argumentaram diversas vezes que nossa área estava voltada aos seres vivos e que éramos os "caras" nisso e apenas nisso. 

Eis então que vislumbro os mesmos que nos atacavam por supostamente estarmos invadindo as áreas deles (mesmo sendo de uma profissão muito mais nova que a nossa no Brasil), estarem soltando matéria sobre a possibilidade de Engenheiros Ambientais se responsabilizarem por laudos de fauna e flora.

Sim, você leu isso. Um profissional que pode até ter estudado ecologia (algumas faculdades, mesmo sendo muito boas, nem isso possuem), mas que nunca tiveram botânica, zoologia ou sistemática biológica estão por aí soltando laudos nessas áreas. Mais, estão soltando laudos de identificação de espécies florestais... 

Acho aceitável um zootecnista, veterinário, engenheiro agrônomo e florestal penderem para algumas dessas áreas, até porque em suas grades estão contemplados parte desses conhecimentos e muitas vezes ensinados por Biólogos, mas o engenheiro ambiental... 

Só não venham com a história de que não podemos concorrer em cargos em que as atribuições não sejam realmente de engenharia, porque o resto é livre escolha do empregador, e do que a justiça decidir. Essa área não é privativa nossa, mas por favor não nos tentem impedir de trabalhar em áreas mais relevantes para vocês também.



Agrônomos não nos querem nas plantas, mas não largam os animais de criação para os Bacharéis em Zootecnia

Você como Biólogo se acha injustiçado? Então conheça o Zootecnista de formação, uma das profissões mais importantes da agropecuária brasileira, mas também uma das mais injustiçadas. O cara passa anos na universidade e quando vê, tem um veterinário ou agrônomo se intitulando zootecnista. 

Você sabe o que é um Zootecnista? Um cara que estuda botânica , zoologia, genética, nutrição e outras coisas, mas com o foco principal na criação de animais com fins econômicos, o que não significa que não trabalham com animais silvestres, sustentabilidade e conservação. A botânica deles é voltada para o uso na alimentação dos animais por exemplo. É um curso amplo e bem diversificado.

Quando a Zootecnia foi regulamentada, existia um curso de Zootecnia no Brasil. Antes quem aprendia partes desses conteúdos eram o veterinários e agrônomos. Mas da mesma maneira que se criaram a Zootecnia no mundo, se criou no Brasil. Acontece que a regulamentação foi rápida demais, e quando ocorreu disseram o seguinte: o Zootecnista pode criar animais assim, fazer isso, melhoramento daquilo, ser responsável disso. Zootecnista é o Bacharel em Zootecnia... 

Daí me soltam na mesma lei o seguinte: Veterinários e Agrônomos também podem exercer a profissão.

Espera aí! Claro, faz sentido para a época! Quase 50 anos atrás não existiam cursos suficientes de zootecnia propriamente dito, e os colegas veterinários e agrônomos estudavam para isso também. 

Mas isso décadas atrás, e se pegarmos as grades curriculares de alguns cursos de hoje, verão que tem muito profissional que tem zoologia geral, e o resto ou é planta ou é clínica animal! Mesmo assim, quando abre uma vaga de concurso de ZOOTECNISTA, eles devem deixar os três profissionais concorrerem, mesmo se sabendo que a zootecnia é hoje deixada de lado em suas grades (agrônomos e veterinários).

Oras, os veterinários não passam tanto tempo estudando a clínica animal e dizem que não podemos nem criar os animais de biotérios que sempre criamos? E os agrônomos não nos dizem que ter apenas botânica não é suficiente para produzir sementes? Alguém aí explica que ter zoologia geral, morfofisiologia animal e zootecnia de 40 horas é suficiente para criar todo e qualquer tipo de animal?

Não estudamos apenas "botânica" como dizem alguns agrônomos, e somos taxados de incapazes e até mesmo um perigo para a sociedade, mas quando são eles que não estudam tudo o que o outro estuda, como um verdadeiro bacharel em zootecnia, daí eles podem? Isso sem contar que a ideia é proibir de usar o título de quem se formar depois da lei que os Zootecnistas pretendem aprovar, e não proibir todos os outros de atuarem na área... Usam de jogada suja, pois induzem aos colegas que serão proibidos de criarem animais, o que não é verdade. Nem tudo aqui nessa petição é verdade, induzindo colegas ao erro!

Eis o jogo de padrão duplo, que nós Biólogos bem formados e informados estamos de olho!